DEIXE O SEDENTARISMO E OS MAUS HÁBITOS ALIMENTARES DE LADO E MEXA O SEU CORPO

Acordar. Café. Trabalhar. Comer. Casa. Família. Dormir. Acordar. Café. De novo? Todo dia, a todo o instante a rotina maltrata nosso corpo, ainda mais se levamos uma vida sedentária, sem nenhuma prática de exercícios. Cá, entre nós, existe uma lista de desculpas para não levar uma vida saudável, começando pelo cotidiano. No entanto, é preciso ter foco e determinação para correr (literalmente) atrás do prejuízo.

Conforme um levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e divulgado recentemente, demonstra que as doenças cardiovasculares são as principais causas de morte no país. Dentre o público principal que lidera o ranking no estudo de infartos e derrames, estão os homens.

O motivo é que a doença se manifesta mais cedo nos homens do que nas mulheres, entretanto a pesquisa demonstra que a estatística de vida é igual entre eles. Porém, para os homens, o índice no número de infartos já contabiliza 68.018 mortes. Já os derrames fizeram 51.753 pessoas vítimas do gênero masculino, conforme apontam os dados de 2016 levantados pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).

Entre o público feminino os números se invertem, são mais mortes por AVC’s (Acidente Vascular Cerebral) vitimando 51.198 mulheres. Quando se trata de infarto feminino o índice demonstra que já foram 48.104 mortes, pesquisa realizada no ano de 2016. Algumas causas estão diretamente ligadas ao estilo de vida que essas pessoas levam.

O colesterol elevado, estresse, hipertensão, sedentarismo, obesidade, diabetes, tabagismo e álcool em excesso fazem parte dos fatores de risco para as doenças cardiovasculares. De acordo com o médico cardiologista, Dr. Marcio Couto uma das explicações das mulheres serem acometidas por esse mal é por conta da chegada da menopausa.

“Com a chegada da menopausa a mulher tem uma redução no estrogênio, que é um antiinflamatório e reestabilizador de membranas celulares, isso acontece porque é próprio da natureza das mulheres. Quando isso acontece a massa muscular diminui, o libido já não é mais o mesmo. A reposição de hormônios também traz alguns problemas, como por exemplo a proximidade com doenças mentais”, afirma.

Espiritualidade auxilia no tratamento cardiovascular

Outro ponto comentado pela comunidade médica durante um congresso brasileiro de cardiologia foi a importância da espiritualidade no tratamento de complicações cardiovasculares. Além dos fatores de risco já mencionados ao longo da matéria, o presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), Oscar Dutra ressaltou que pessoas irritáveis e intolerantes estão mais propensas a desenvolver algum tipo de doença cardiovascular enquanto outras pessoas que buscam a primazia da espiritualidade apresentam em seu quadro clínico uma redução significativa de 16% no índice de mortalidade geral e 28% na causa de mortalidade cardíaca.

Na avaliação do médico cardiologista e vice-presidente da Associação Médica de Cascavel, Marcio Couto, que já presenciou várias situações em que a fé superava todo o mal, a espiritualidade no auxilio da cura de qualquer enfermidade é primordial. “Como médico do interior, a oração e a fé seja do paciente ou de algum familiar e até mesmo de um líder religioso fazem a diferença no tratamento. Cientistas renomados estão desenvolvendo esse trabalho e constatando que realmente a fé ajuda e é uma corrente positiva, independente da religião da pessoa, pois tudo está centrado no criador. A espiritualidade é uma grande aliada em nosso trabalho”, salienta.

“O bom estado emocional e a espiritualidade, somados à medicina tradicional tem um papel importante e auxiliam no equilíbrio da saúde. Há estudos que mostram que pessoas que têm um nível de espiritualidade maior sofrem menos desse tipo de doenças. Quando há uma alteração por nervosismo, o sistema cardiovascular fica sobrecarregado, ficando mais propensa a derrame, avc, angina e infarto. O ideal é que as pessoas busquem mais positividade, uma vida mais tranquila, menos agitada e ansiosa”, afirma o presidente da SBC.

Na avaliação do vice-presidente do Grupo de Estudos em Espiritualidade e Medicina Cardiovascular da SBC, Mário Borba não há uma ligação específica entre a espiritualidade e a religião, mas que a comunidade médica acredita e reconhece que esse é um fator positivo.

“Espiritualidade nada tem a ver com uma única religião, tanto que nos debates sempre há cardiologistas de diferentes denominações religiosas, ateus e agnósticos, todos empenhados em buscar comprovações científicas de como a espiritualidade age no organismo e na saúde cardiovascular. É importante que a pessoa busque uma prática benéfica que lhe dê prazer, que tire um tempo para curtir a família e também para se autoanalisar”, orienta.

Atividades que diminuem o risco de infartos e derrames

Grande parte dos casos das mortes por infarto acontece logo nas primeiras manifestações da doença, de acordo com os dados do Ministério de Saúde. Na primeira hora depois do surgimento dos sintomas, em sua maioria, acontecem 65% dos óbitos, enquanto 80% ocorrem até 24 horas após o início do quadro. Por isso, a importância de ficar atento ao que está sentindo.

Segundo o médico cardiologista, Dr. Marcio Couto, vice-presidente da Associação Médica de Cascavel, quem já possui histórico familiar de doenças cardiopatas tem que estar sempre em dia com exames como ecocardiograma, teste de esforço, raio-X de tórax, eletrocardiograma e exames de sangue.

“Quem tem histórico na família já tem que fazer a dosagem do colesterol, começa desde 15 anos de idade. O colesterol são as placas de gordura que ficam localizadas nas paredes das artérias e, consequentemente, aumenta a pressão, além disso, a prática de exercícios também deve ser constante”, finaliza.

Pensado em te ajudar a prevenir um infarto, elaboramos alguns conselhos para seguir uma vida mais saudável:

Siga uma dieta equilibrada

Se alimentar de forma correta não quer dizer que pode exagerar na quantidade. É essencial que em sua alimentação estejam presentes frutas, verduras, legumes e carboidratos, pois essa combinação vai refletir no colesterol. Uma dieta controlada ajuda o organismo a equilibrar proteínas e nutrientes.

Visite o médico regularmente

Não apenas aqueles que têm histórico de doenças cardiovasculares na família, e sim todos que a constituem devem procurar orientação médica, por meio de exames de rotina para detectar se os níveis de açúcar e o colesterol estão normalizados.

Fique de olho na sua faixa etária

Apesar de o infarto acometer muitas pessoas mais jovens, entre 18 e 40 anos, os idosos são o grupo de maior risco da doença. Muitas vezes, pelo fato de já terem desenvolvido um quadro de hipertensão ou diabetes ao longo dos anos, o que atrapalha o tratamento, pois essas mesmas doenças podem implicar em lesões nos rins e no coração.

Pare de fumar

As substâncias que constituem o cigarro destroem o endotélio, uma camada de proteção das veias, e oxidam as artérias, deixando-as livres com o contato de gordura no organismo, o que acarreta na formação de depósito de gordura em locais inadequados.

Faça exercícios físicos

O que mais se tem visto é uma grande parte dos mais jovens apresentando níveis altos de colesterol, por conta do sedentarismo. A prática de exercícios físicos contribui para evitar infartos e outras doenças, como por exemplo, hipertensão, diabetes e o sobrepeso.

Evite alimentos com alto teor de gordura

As gorduras estão presentes em nossa alimentação, no entanto é necessário cautela na hora de consumir, o ideal é que você opte por gorduras saudáveis, facilmente encontradas no azeite, no chocolate meio amargo, na castanha- do-pará e inclusive no abacate. É o que costumamos chamar de gorduras polinsaturadas, aquelas que têm origem vegetal.

Evite bebidas alcoólicas

De acordo com alguns estudos a bebida alcoólica não está atrelada com os infartos, mas, se consumida em excesso, prejudica muito a saúde. Para se ter uma ideia, os estudos epidemiológicos dão conta que substâncias como o vinho, em doses pequenas, auxiliam no sistema cardiológico do corpo, pelo simples fato de que a bebida age no organismo como um antioxidante, produzindo efeitos positivos refletidos na redução do risco de derrames cerebrais.

Viva com diversão e alegria

É fundamental saber lidar com o estresse emocional. Pessoas que pisam o pé no acelerador trabalhando demais estão propensas a serem acometidas por infartos. Relaxe e divirta-se, pois atividades que nos proporcionam prazer liberam a endorfina e equilibram o organismo.

Foto: Cesar Pilatti

Dr. Márcio Couto