Exercer alguns hobbies pode ser grandes aliados para esquecer os problemas do trabalho

Cá, entre nós, todo e qualquer profissional que se preze já passou por situações limites causadas por pessoas estressantes, não necessariamente nesta ordem, haja vista que o ambiente corporativo é propício para um conjunto de fatores que nos tiram de nossa zona de conforto e despertam em nós um ímpeto de loucura seguidos de disparos de xingamentos acompanhados com muita pressão. Falas como, “Quero esse relatório pra ontem”, “Incompetente” e até mesmo “Você não presta para nada” são ditas a cada meio segundo por ‘líderes’ empresariais no trabalho, afetando dessa forma, o profissional que está do outro lado. Quando isso acontece, já é tarde, pois a linha do estresse foi ultrapassada.

O estudo realizado pela Mind, uma instituição de caridade de origem inglesa que tem como finalidade oferecer suporte às pessoas com problemas de saúde mental, confirma essa situação por meio da afirmação de 34% dos entrevistados que concordaram que o fator principal que gera estresse na vida social e profissional das pessoas é o trabalho. Ambiente ideal para o estresse se manifestar, já que o comportamento nada mais é do que uma resposta do organismo que entende o momento de ameaça ou quando o indivíduo está sob pressão. Um ambiente que aflora a competitividade e ao mesmo tempo hostil formam um cenário perfeito para que o profissional seja acometido por esse mal e sua produtividade e resultados sejam prejudicados.

Além desses fatores, há outras adversidades como, o acúmulo de funções, uma prática adotada por muitas empresas, uma vez pela situação econômica que o Brasil passa, contribui ao estresse. Um conselho para quem está sobrecarregado é aperfeiçoar a organização das suas tarefas. Separar uma ‘listinha’ com os afazeres, por ordem de prioridade, também, é uma boa estratégia. Outra saída é conversar com o supervisor para que seja elaborado um formato que se adéqua as necessidades da empresa e ao profissional que está desempenhando o papel.

O departamento de Recursos Humanos está, cada vez mais, recrutando talento que possam pensar em estratégias e produzir o trabalho em tempo recorde e com maestria. Entretanto, a cobrança incessante pela entrega de resultados leva consequentemente o colaborador vivenciar uma situação de pressão e estresse. Lidar com a pressão, não é uma tarefa fácil, porém o profissional deve compreender onde cabe o seu papel no desempenho para obter bons resultados. Uma técnica interessante é a de não levar trabalho para casa, pois é necessário descansar o corpo e a mente.

As frustrações presentes diariamente no ambiente corporativo, são queixas comuns de profissionais, pois as metas não alcançadas, a promoção prometida que não veio, entre outros fatores são grandes potenciais acumuladores que pode propiciar o estresse. Aprender a lidar com esse tipo de situação é crucial no meio empresarial, pois demonstra que o profissional tem o autocontrole tanto da sua vida pessoal como a profissional. Não gasta energia se lamentado o que foi que aconteceu de errado, tire proveito desses acontecimentos para aprender com os erros e criar planos de ação para ocasiões semelhantes que possa acontecer. Se isso estiver atrapalhando o seu rendimento no trabalho ou suas relações interpessoais, procure um amigo ou familiar para conversar, em casos mais extremos o aconselhável é procurar ajuda profissional.

Um grande ruído que abala as estruturas de uma empresa é, sem dúvidas, a falta de comunicação entre os gestores e os colaboradores. Esse problema pode gerar insegurança sobre qual o melhor formato de trabalho, dúvidas sobre o que a empresa espera do colaborador e de que forma ele pode contribuir para seu e o futuro da empresa, além de não ser ideal para o clima corporativista. Para cessar esse problema, é preciso criar uma relação de confiança dentro da organização, além de estabelecer um diálogo de transparência, seja com superiores ou colegas de trabalho. Pedir um feedback ao gestor, também é uma ação positiva para que o bom relacionamento permaneça dentro da corporação.

Falando em relações, lidar com opiniões divergentes, seja dentro ou fora da empresa, pode ser um estopim para causar discussões, mesmo que a diferença do ponto de vista ou ideais não seja tão grande. Para que isso não aconteça, é primordial trabalhar a empatia. De que forma!? Aprender a escutar, entender que cada pessoa é diferente e tirar disso algo que reflete em você um lado positivo.

Em meio ao caos instalado do dia a dia, que só contribui para aumentar o nível de estresse, uma pausa para prática de atividades que não estão presentes na rotina pode ser uma grande aliada para combater o estresse e deixar você mais relax. Diante dessa situação, os hobbies aparecem como ações eficientes que causam tranquilidade.

Outra técnica que pode auxiliar é a prática do Mindfulness, mesmo sem ter ouvido sobre isso, em algum momento da sua vida você já desejou fazer isso. Quer ver só!? Em certos momentos da rotina, com certeza já teve aquela sensação que a rotina está ficando cada vez mais acelerada e que está sendo engolida por ela, não é!? Ficamos tão focados que ligamos o piloto automático para realizar as atividades empresariais e profissionais.

Na avaliação da psicóloga, Carina Goretti Schmitt Welter é uma boa oportunidade de conhecermos nosso corpo e aprender como administrar com situações limite que estressam o dia a dia. “Os exercícios têm como objetivo sair do comportamento automático que temos e muitas vezes nem percebemos, ou seja, que possamos viver mais o aqui e agora, de uma forma que possamos pensar mais antes de agir e se a mesma está de acordo com o que buscamos, valorizamos”, analisa.

O Mindfulness é traduzido com uma atitude de foco total no presente. São ações objetivas, incluindo a meditação, que mexem com o corpo e a mente pra deixar a vida um pouco mais leve e alcançar os objetivos diários com muito foco e tranquilidade.

No entanto, a psicóloga alerta que cada pessoa age de maneiras diferentes com suas particularidades e o que pode funcionar para um pode não dar certo para outro. “O pensamento acelerado muitas vezes está associado a ansiedade e uma pessoa ansiosa tem uma grande tendência a assumir várias tarefas/responsabilidades ao mesmo tempo, que por consequência pode gerar o pensamento acelerado diante de muitas coisas a serem realizadas”, pontua Carina.

Empresas como o Google já estão apostando na rotina de treinamentos com as técnicas do Mindfulness. Estima-se que a atenção total aperfeiçoa a comunicação e o foco, diminui a ansiedade, o estresse e maximizam habilidades cognitivas, como leituras e atividades corriqueiras do dia a dia.

É aconselhável que todos possam fazer as práticas do Mindfulness, até mesmo crianças, mas é necessário que empreendedores e profissionais que estão inseridos em uma rotina de trabalho que causam extremo estresse, possam aplicar em suas tarefas diárias, pois só assim conseguirá atingir os seus objetivos.

“O primeiro passo é o autoconhecimento, me conhecendo vou estar ciente de minhas dificuldades, limitações, e que tipo de coisas/situações que tenho mais dificuldade em lidar, tendo conhecimento desses e também dos meus pontos fortes e habilidades que se tornam mais fácil lidar com as situações”, destaca a psicóloga.