Por meio de avaliação minuciosa, o tratamento consiste em tratar disfunções de mobilidade das articulações e tecidos

É notório o número de pessoas que sofrem com dores e desconfortos. Cada vez mais se buscam formas de tratar essas condições com o mínimo de efeitos colaterais, fazendo o tratamento de forma não invasiva. A osteopatia é uma alternativa, visto que é uma técnica não invasiva com bons resultados clínicos.

A osteopatia é uma abordagem diagnóstica e terapêutica manual que visa tratar disfunções de mobilidade das articulações e tecidos. Foi desenvolvida por Andrew Taylor Still, um dos primeiros médicos a difundir a medicina “holística”. Ele afirmava que todas as partes do corpo estão em correlação e que o ser humano deve ser tratado em conjunto.

A pesquisa e observação clínica levaram Still a acreditar que o aparelho locomotor desempenha um papel essencial no processo saúde-doença e que o corpo possui todos os elementos necessários para manter a saúde se for corretamente estimulado. Still acreditava que ao corrigir a estrutura com técnicas manuais, o corpo melhora consideravelmente sua capacidade de funcionar e se curar. Ele acredita que quando a estrutura está em harmonia, as funções corporais estarão em equilíbrio.

Para que sejam dados os estímulos corretos para a recuperação do equilíbrio corporal, chamado de homeostase, é necessária uma avaliação minuciosa, onde são investigadas possíveis causas para os sintomas do paciente. Às vezes sintomas em outras regiões do corpo podem estar relacionados à queixa do paciente, portanto, é muito importante questionar sobre inquietações como um todo.

São avaliadas diversas estruturas corporais, como articulações, músculos, fáscias, ligamentos e vísceras, principalmente quanto às suas relações biomecânicas, fasciais e de inervação. Para a avalição são realizados testes clínicos ortopédicos e testes manuais de mobilidade que dão sinais de quais estruturas podem estar sob estresse e como está a sua mobilidade.

Após chegar ao diagnóstico osteopático, elabora-se um raciocínio sobre as possíveis causas do sintoma e depois disso um plano de tratamento. A terapia é composta por técnicas manuais de correção da mobilidade articular, fascial e técnicas musculares para a redução de espasmos e pontos de tensão.

O tempo de tratamento depende das disfunções apresentadas, da cronicidade das mesmas e das dificuldades encontradas na correção, podendo ir de poucas sessões ou até se estender a intervenções mais longas.

Portanto a osteopatia pode auxiliar no tratamento global do paciente, diminuindo o uso de medicações e trabalhando de forma não invasiva para proporcionar o bem-estar do paciente.

Foto: Arquivo pessoal

Fisioterapeuta Henrique Prado Rodrigues em artigo para a revista Afeto
O fisioterapeuta Henrique Prado Rodrigues

Henrique Prado Rodrigues é Fisioterapeuta, graduado pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná e pós-graduado em Fisioterapia em Ortopedia, Traumatologia e Desportiva. Atualmente é estudante de osteopatia pela Escuela de Osteopatia de Madrid.